Sunday, August 17, 2014

[ leguminarium ]

Os meus primeiros desenhos dignos desse nome foram feitos a partir de ossos, couves, aipos…
Nesses trabalhos entreguei-me, rendido, à transposição para o papel da fascinante complexidade dessas formas orgânicas. Acabei a desenhar crâneos de borrego com sangue de galinha.
A natureza sabe bem aquilo que faz.
De tal forma me identifico com o resultado dessas tardes artísticas que eis que chego à maturidade da idade adulta com duas dessas representações ainda penduradas nas paredes da nossa sala.
Essa familiaridade com o universo dos referentes trazidos das idas à praça no mercado da ribeira, e aos talhos amigos, de entrecampos e de alvalade, fez com que perante o pedido de produção de uma representação de "bróculos",  destinada a ilustrar uma publicação com recomendações alimentares para diabéticos, eu tenha sido de imediato transportado pela memória, para o jogo de sobreposição de talos e nervuras com modulações orgânicas e respectivos jogos de sombras.

Monday, July 21, 2014

[ A Anita manda nos homens #2 ]


(…)
"O jantar está uma merda!!! – rosnou bruscamente Rosemary como era hábito, sempre que trazia algum problema do trabalho."
(…)


Meet Rosemary… o ogre doméstico, em todo o seu explendor.
Esta representação da minha imagem mental da sedutora Rosemary é dedicada a todos os homens e mulheres que utilizam o recurso à corrosão do empenho e dedicação culinária da sua/seu companheira/o, como uma agressão, e uma forma de reduzir a sua auto-estima, bem como a segurança da sua personalidade. 
De facto esta manobra psicológica está presente em muitos lares da nossa praça, e encontra facilmente paralelo nas requintadas formas de tortura lenta e subtil de alguns sistemas opressivos.
A diferença é que neste caso o divórcio resolve a coisa e permite à criatura oprimida partir para refeições bem mais tranquilas.

Wednesday, July 16, 2014

[ A Anita manda nos homens #1 ]





" O seu coração agitou-se, 
enquanto Rosemary abocanhava o seu delicado sexo. 
Contraiu-se mas não conseguiu acautelar a ereção. Ela abusou tresloucadamente do seu frágil pénis."
(…)


O meu amigo João Lourenço convidou-me para ilustrar um texto de Frederico Pinto, integrado no livro "27 acrobacias sobre (quase) a mesma coisa – igualdade de género contada e ilustrada".
O título é extenso mas, o tema é tudo menos reduzido.
A minha ilustração é baseada na curiosa inversão de papéis proposta no texto do Frederico, e é o meu modesto contributo para esta iniciativa da ESDIME, de promoção da igualdade de género. 
O meu manifesto é, não pela igualdade dos géneros (só Deus sabe como valorizo as diferenças entre nós), mas sim pela interiorização individual da igualdade de direitos contemplada nas leis do mundo ocidental, pelo respeito mútuo e equiparado para e por ambos os géneros, e, pela valorização da contemplação maravilhada perante as diferenças que nos aproximam.